quarta-feira, 1 de fevereiro de 2017

A Igreja Contra as Heresias - Congresso Montfort em Belém 2017

 Fanpage

Local do Evento: Auditório da Empresa Garantia Marketing de Relacionamento
Tv. Dr. Moraes, 79 - Bairro Nazaré
Inscrições - Fanpage do evento:

domingo, 8 de janeiro de 2017

Missa da Epifania do Senhor - Fotos

Missa realizada na Igreja do Rosário, no bairro da Campina.


Para mais fotos acesse: Parte I
                                      Parte II

Concerto de Epifania.

Concerto realizado na Igreja de Nossa Senhora do Rosário dos homens pretos em honra à Epifania de Nosso Senhor.

Agradecemos aos músicos da Orquestra de Câmara Nossa Senhora do Rosário: Marcely Cunha, Geowanna Bertazo, Patrícia Araújo, Pedro Teixeira, Davi Costa, Luis Oliveira, Ricky Santos, Vinícius Araújo, Alex Barros e Mércia Nepomuceno.

Músicas:
J. S. Bach: Ária da Suíte nr 3 em Ré Maior BWV 1068 (Ária da 4ª corda).
Concerto para dois violinos em Ré Menor BWV 1043 II Movimento - "Largo, ma non tanto"

Archangelo Corelli: Concerto Op.6, nr 8 "Fatto per La notte di Natale".

Fotos do concerto

terça-feira, 27 de dezembro de 2016

Sim, Cristo nasceu realmente em 25 de dezembro.




Dr. Taylor Marshall

A Igreja Católica, desde pelo menos o segundo século, confirma que Cristo nasceu em 25 de dezembro. No entanto, é comumente alegado por pessoas mal informadas que nosso Senhor Jesus Cristo não nasceu em 25 de dezembro.

Para simplificar a questão, vamos expor as objeções habituais à data de 25 de dezembro e refutar cada uma delas.

Primeira Objeção:
 O 25 de dezembro teria sido escolhido para substituir o festival romano pagão da Saturnalia. Saturnalia era um festival popular de inverno e por isso a igreja católica o substituiu prudentemente colocando o Natal em seu lugar.

Resposta à primeira objeção:
 Saturnalia comemorava o solstício de inverno. No entanto, o solstício de inverno cai em 22 de dezembro. É verdade que as celebrações Saturnalia começavam por volta de 17 de dezembro e iam até 23 de dezembro. Ainda assim, as datas não correspondem.

Segunda Objeção
O 25 de dezembro teria sido escolhido para substituir o feriado romano pagão “Natalis Solis Invicti” que significa "Aniversário do Sol Invicto".

Resposta à segunda objeção:
Examinemos primeiro culto do Sol Invicto. O imperador Aureliano introduziu o culto do Sol Invictus ou do Sol Inconquistado de Roma em 274 dC. Aureliano encontrou motivação política para este culto, isto porque seu próprio nome Aureliano deriva da palavra latina aurora que denota "amanhecer". As moedas revelam que o imperador Aureliano se chamava o “Pontifex Solis” ou Pontífice do Sol. Assim, Auréliano simplesmente acomodou um culto genérico solar e identificou seu nome com ele no final do terceiro século. Mais importante ainda, não há registro histórico para uma celebração “Natalis Sol Invictus” em 25 de dezembro antes de 354 AD.

Dentro de um manuscrito do ano de 354 AD, há uma entrada para 25 de dezembro lendo "N INVICTI CM XXX" Aqui N significa "Natividade". INVICTI significa "dos Inconquistados". CM significa "circenses missus" ou "jogos ordenados". O numeral romano XXX equivale a trinta. Assim, a inscrição significa que trinta jogos foram ordenados para comemorar  a natividade dos Inconquistados em 25 de dezembro.

Observe que a palavra "sol" não está presente. Além disso, o mesmo códice também lista "natus Christus em Betleem Iudeae" para o dia de 25 de dezembro. A frase é traduzida como "nascimento de Cristo em Belém da Judéia".A data de 25 de dezembro só se tornou o "Aniversário do Sol Inconquistado" sob o Imperador Juliano o Apóstata.

Juliano, o Apóstata, tinha sido cristão, mas tinha apostatado e retornado ao paganismo romano. A história revela que foi este odioso ex-Imperador Cristão que erigiu um feriado pagão em 25 de dezembro. Pense nisso por um momento. O que ele estava tentando substituir?

Esses fatos históricos revelam que o Sol Inconquistado não era uma divindade popular no Império Romano. O povo romano não precisava ser desmamado de um chamado feriado antigo. Além disso, a tradição de uma celebração de 25 de dezembro não encontra um lugar no calendário romano até depois da cristianização de Roma. O "Aniversário do Sol Inconquistado" foi pouco tradicional e pouco popular. Saturnalia (mencionado acima) foi muito mais popular, tradicional e divertido. Parece, antes, que Juliano o Apóstata tinha tentado introduzir um feriado pagão, a fim de substituir o cristão!

Terceira Objeção:
Cristo não poderia ter nascido em dezembro, uma vez que São Lucas descreve pastores pastoreando nos campos vizinhos de Belém. Pastores não rebanho durante o inverno. Assim, Cristo não nasceu no inverno.

sexta-feira, 16 de dezembro de 2016

“Pelo fruto conhecereis a árvore”

Domingo Gaudete




É notável que os domingos do Advento têm uma grande unidade litúrgica graças a um objetivo final comum: o Natal. A sequência dos Evangelhos escolhidos para cada um dos quatros domingos, entretanto, é, à primeira vista, espantosa. Os temas são respectivamente: o fim dos tempos, a vida pública de Jesus, a pregação do Precursor e o início dessa mesma pregação. Trata-se de fato de um retorno no tempo gradativo. Cabe a nós explicar o porquê.

O objetivo final do Advento como dissemos é preparar o Natal, e isso se faz procurando dar a conhecer melhor a essência mesma dessa festa, expressa no Evangelho da Missa do Dia: “O Verbo de Deus se fez carne”. Ora, qual é a melhor maneira de dar a conhecer isso? É o próprio Verbo de Deus que nos ensina: “Pelo fruto conhecereis a árvore”. É conhecendo os frutos da Encarnação, então, que nós conheceremos melhor esse mistério. E porque os frutos soem ser posteriores à própria árvore, a Igreja começa pelo derradeiro e vêm voltando no tempo, conforme o Advento vai avançando, até chegar à Árvore: Cristo. “Eu sou a videira, vós as varas. O que permanece em Mim e Eu nele, esse dá muito fruto. ”

Vêm hoje, no Evangelho que acabamos de ouvir, os fariseus perguntar a João Batista o que ele é: “Quem és tu? ” Ele responde: “Eu sou a voz que clama”. Note-se que ele não responde quem ele é: filho de Zacarias e de Isabel, João, o maior entre os nascidos de mulher. Ele responde o que ele faz: “Eu sou a vós que clama”. Os fariseus vieram procurando a árvore: “Quem és pois? És tu Elias? És tu o profeta?”, mas o Precursor lhes mostra o fruto, porque pelo fruto é que deviam conhecer a Árvore.

Se alguma dúvida ainda existe sobre esse forma de conhecer as coisas, veja-se o Evangelho do Segundo Domingo: “És tu aquele que há de vir?...Ide e contai a João o que ouvistes e vistes: Os cegos veem, os coxos andam, os leprosos são limpos, os surdos ouvem, os mortos ressuscitam, os pobres são evangelizados.” E ainda o do Primeiro Domingo: “Vede a figueira e todas as árvores. Quando começam a desabrochar, conheceis que está perto o estio. Assim, também, quando virdes que acontecem estas coisas, sabei que está próximo o reino de Deus.”

Se o problema da ordem dos Evangelhos escolhida para o Advento parece assim estar resolvido, outros tantos, que certamente são de muito maior interesse vosso, no dia de hoje, parecem estar em aberto. Qual o motivo para ser hoje o Domingo Gaudete? Qual é a relação do Evangelho com o resto da Missa e com o gaudio do Gaudete? E, talvez, realmente a questão de interesse de todos: porque o padre está vestido de rosa?

Nada é ao acaso na nossa liturgia ou, se algo era, a esse acaso já foi dado um motivo. O rosa é a mistura do violeta com o branco. É a alegria em um tempo de penitência, é a marca dos Domingos Gaudete e Laetare, na Quaresma e na Pascoa respectivamente.

A partir daqui, um elemento vai ajudar-nos a entender os outros. A porta é o Evangelho, a chave é a Epístola e o prêmio é Cristo que diz: “Eis que estou à porta e bato. Se alguém ouvir a minha voz e me abrir a porta, entrarei em sua casa, cearei com ele, e ele comigo.”

A porta é “pelos frutos conhecereis a Árvore”. Qual será a chave que nos permitirá abri-la e ter Cristo conosco senão os frutos dignos do mesmo Cristo? Eis o assunto da Epístola de São Paulo aos Filipenses: os frutos que produzem um verdadeiro cristão.

O primeiro fruto é a alegria: “Alegrai-vos, mais uma vez o digo, alegrai-vos”. Aquele que é verdadeiro católico, por mais que sofra, sempre tem um motivo de alegria incomensurável: “O Senhor está próximo”. Próximo porque se aproxima o Natal, a comemoração da vinda de Nosso Senhor entre nós para nos salvar. Próximo porque, pela graça, Ele se digna vir habitar em nossas almas. Próximo enfim, porque Ele há de vir a julgar os vivos e os mortos e fazer justiça de todo bem e de todo mal cometido nesse vale de lágrimas. Esse fruto é tão necessário para aquele que quer ter a Árvore que São Francisco de Sales disse a respeito: “Um santo triste é um triste santo.” E nós procuraremos em vão a vida de um santo onde a alegria da vida não desse a conhecer a conformidade com Nosso Senhor Jesus Cristo.

O segundo fruto é a modéstia: “Que a vossa modéstia seja conhecida de todos os homens.” A modéstia aqui, não se restringe à acepção mais comum desse termo, que é a ordem no vestir-se. Trata-se aqui de um modo de viver verdadeiramente cristão, que se exprima em tudo aquilo que fazemos. Todos os frutos que produzimos só podem vir do cristão que somos. Não há negociação possível. “Não pode a árvore boa dar maus frutos” e se nós queremos - somente em alguns casos - dar maus frutos, porque como Eva vimos que eles são às vezes apetitosos, nós deixamos a serpente subir em nossa árvore e nos tornamos filhos do príncipe desse mundo.

Que não seja assim entre nós, caríssimos fiéis: “que a vossa luz brilhe diante dos homens para que vejam as suas obras boas e glorifiquem a Deus”. Que nós não nos impeçamos de abrir a porta por querer ter na nossa árvore um daqueles tantos frutos que o demônio nos propõe hoje e que nos parecem tão apetitosos. Antes que a nossa renúncia a essas coisas sirva de exemplo e de semente para que aqueles que nos veem produzam também frutos, à proporção de cem por um.

Por fim e talvez o mais necessário dos frutos, sem o qual os outros dois não podem subsistir: a oração. “Em todas as circunstâncias manifestai a Deus as vossas necessidades por meio de orações e súplicas, unidas à ação de graças.” O bom católico sabe sempre reconhecer que os frutos da vara são os frutos da vinha e, assim reconhecendo nossa dependência total para com Nosso Senhor, só nos resta estar sempre em ação de graças por tantos benefícios recebidos. Se Santo Afonso não considerasse de suma importância em nossas vidas a presença desse fruto que é a oração, ele não teria dito: “Quem reza se salva, quem não reza se condena.”

No Evangelho de hoje, os fariseus perguntam a São João: “Quem és tu?”, na esperança de encontrar a Árvore que eles aguardavam com tanta ansiedade, Cristo. Por isso ele responde diretamente: ”Eu não sou o Cristo”. Nós sabemos, por fontes exteriores ao Evangelho, que nessa mesma época muitos falsos cristos tiveram numerosos seguidores, tamanha era a expectativa dos judeus.

Porque esses mesmos que perguntam com ansiedade hoje a João sobre o Cristo, não o ouvem quando ele diz: “Eis o Cordeiro de Deus, eis o que tira o pecado do mundo”? Porque eles queriam a árvore que produzisse frutos à maneira deles e não conhecer a Árvore pelos frutos que ela produzia. Por isso Ele “estava no mundo e o mundo não o reconheceu”.

Caros católicos, não há católico de nascimento ou católico não praticante, assim como não há árvore boa sem bons frutos: “Vós sereis meus amigos se fizerdes o que vos mando” nos diz Nosso Senhor.

Se queremos, nesse Natal que se aproxima, abrir a porta para melhor conhecer o Menino Deus que bate nela, busquemos o reino de Deus e sua Justiça e todo o mais nos será dado por acréscimo.

Pe José Luiz Zucchi I.B.P

segunda-feira, 28 de novembro de 2016

Advento: Vinda de Nosso Senhor




A vinda de Nosso Senhor, em vista da nossa Redenção, é o acontecimento mais importante da História. Foi aí que Deus operou suas maiores maravilhas e devolveu ao homem a graça anteriormente perdida pelo pecado. Por isso, Deus não quis que ela acontecesse de forma repentina e inusitada. Toda a História Santa do Antigo Testamento, do Gênesis até São João Batista, são milênios de preparação para o Nascimento do Salvador.

Assim sendo, dada a relevância do que é comemorado na festa do Natal, a liturgia da Igreja, desde muito cedo, quis nos preparar para ela. A estrutura e os textos atuais da liturgia do Advento (quatro Domingos e a Vigília do Natal) já são mais do que milenares. Eles foram pouco a pouco recebendo esse nome Adventum, que quer dizer chegada ou vinda, por se tratar da expectativa para a vinda do Messias.

Mas essa vinda do Messias, não se limita ao Nascimento temporal de Jesus no estábulo de Belém. O Advento é triplo porque Cristo vem a nós em três tempos e de três maneiras diferentes: “Na primeira vinda”, diz São Bernardo, “Ele vem na carne e na fraqueza; na segunda, Ele vem em espírito e poder; na terceira, Ele vem em gloria e majestade; e a segunda vinda é o meio pelo qual nós passamos da primeira à terceira.”

“Três são as vindas do Senhor, a primeira na carne, a segunda na alma, a terceira pelo juízo. A primeira aconteceu na noite, segundo as palavras do Evangelho: À meia noite se escutou um grito: eis que vem o Esposo! E esta primeira vinda já passou porque Cristo foi visto na Terra e falou com os homens.
"Nós estamos atualmente na segunda vinda: mas somente se nós estamos prontos para que Ele possa vir a nós, porque está dito que se nós o amamos, Ele virá até nós e fará em nós sua morada. Por isso, essa segunda vinda é para nós algo um tanto incerto, porque quem conhece aquilo que diz respeito a Deus senão o Espírito de Deus?
"Quanto à terceira vinda, é certo que ela acontecerá, mas muito incerto quando ela acontecerá: porque não há nada mais certo do que a morte e nada mais incerto do que o dia da morte.
"A primeira vinda foi humilde e escondida, a segunda misteriosa e cheia de amor, a terceira será esplendorosa e terrível. Na sua primeira vinda, Cristo foi julgado pelos homens com injustiça; na segunda, Ele nos torna justos pela sua graça, na terceira ele julgará todas as coisas com justiça: Cordeiro na primeira vinda, Leão na última, Amigo cheio de doçura na segunda.” (Pierre de Blois, De Adventu, Sermo III)

É nesse espírito que é construída a liturgia do Advento. Ao longo das quatro semanas, a Igreja nos fala das três vindas:

Ela pede a vinda do Messias, unida às suplicas do Povo Eleito, súplica que foi levada em conta por Deus quando da Encarnação, já conhecendo Ele todas as orações que seriam feitas até o fim do mundo.

Ela aspira à vinda de Cristo às almas dos seus filhos, porque de nada serviria a primeira vinda se ela não fosse aplicada às almas dos fiéis.
Ela reza, enfim, pela volta definitiva de Nosso Senhor que a livrará das vicissitudes desse mundo e dos limites do tempo e a coroará para sempre no Céu.

Em tudo isso, a Igreja visa sempre nos preparar para essas três vindas, sabendo que da graça de Deus depende o nosso triunfo no dia do Juízo e que foi pela Encarnação que essa graça veio até nós.

Que nós saibamos aproveitar esse tempo do Advento, para melhor comemorarmos a primeira vinda, melhor participarmos da segunda e estarmos prontos para a terceira.


Vinde Senhor Jesus!

Pe José Luiz Zucchi I.B.P